BORIS KAGARLITSKY
ESTÁ NA PRISÃO!

Em 13 de fevereiro, o tribunal anulou a decisão anterior de libertação e mandou Boris Kagarlitsky para a prisão por cinco anos.

PETIÇÃO EM APOIO A BORIS KAGARLITSKY

Nós, abaixo assinados, ficámos profundamente chocados ao saber que, no dia 13 de fevereiro, o principal intelectual socialista russo e ativista anti-guerra, Dr. Boris Kagarlitsky (65), foi condenado a cinco anos de prisão.

O Dr. Kagarlitsky foi preso sob a absurda acusação de "justificar o terrorismo" em julho do ano passado. Após uma campanha global que refletiu a sua reputação mundial como escritor e crítico do capitalismo e do imperialismo, o seu julgamento terminou a 12 de dezembro com um veredito de culpado e uma multa de 609 000 rublos.

A acusação recorreu da multa por considerá-la "injusta devido à sua excessiva clemência" e alegou falsamente que o Dr. Kagarlitsky não podia pagar a multa e não tinha cooperado com o tribunal. De facto, o Dr. Kagarlitsky pagou a multa na íntegra e forneceu ao tribunal tudo o que este solicitou.

Em 13 de fevereiro, um tribunal militar de recurso condenou-o a cinco anos de prisão e proibiu-o de gerir páginas de Internet durante dois anos após a sua libertação.

A reversão da decisão original do tribunal é um insulto deliberado aos muitos milhares de ativistas, académicos e artistas de todo o mundo que respeitam o Dr. Kagarlitsky e participaram na campanha global pela sua libertação. A secção da lei russa utilizada contra o Dr. Kagarlitsky proíbe efetivamente a liberdade de expressão. A decisão de substituir a coima por pena de prisão foi tomada sob um pretexto completamente forjado. A ação do tribunal representa, sem dúvida, uma tentativa de silenciar as críticas na Federação Russa à guerra do governo na Ucrânia, que está a transformar o país numa prisão.

O julgamento fictício do Dr. Kagarlitsky é o último de uma onda de repressão brutal contra os movimentos de esquerda na Rússia. As organizações que têm criticado consistentemente o imperialismo, sendo ocidental ou não, estão agora sob ataque direto, muitas delas proibidas. Dezenas de ativistas estão já a cumprir longas penas simplesmente por discordarem das políticas do Governo russo e terem a coragem de se manifestar. Muitos deles são torturados e sujeitos a condições nas colónias penais russas que põem em risco as suas vidas, privados de cuidados médicos básicos. Os políticos de esquerda são forçados a fugir da Rússia, enfrentando acusações criminais. Os sindicatos internacionais, como a IndustriALL e a Federação Internacional dos Transportes, são proibidos e qualquer contacto com eles resultará em longas penas de prisão.

Há uma razão clara para esta repressão contra a esquerda russa. O pesado tributo da guerra dá origem a um descontentamento crescente entre a massa dos trabalhadores. Os pobres pagam por este massacre com as suas vidas e o seu bem-estar, e a oposição à guerra é consistentemente mais elevada entre os mais pobres. A esquerda tem a mensagem e a determinação de expor a ligação entre a guerra imperialista e o sofrimento humano.

O Dr. Kagarlitsky reagiu à decisão ultrajante do tribunal com calma e dignidade: "Só precisamos de viver um pouco mais e sobreviver a este período negro para o nosso país", disse ele. A Rússia está a aproximar-se de um período de mudanças e convulsões radicais, e a liberdade do Dr. Kagarlitsky e de outros ativistas é uma condição para que essas mudanças tomem um rumo progressivo.

Exigimos que Boris Kagarlitsky e todos os outros prisioneiros anti-guerra sejam libertados imediata e incondicionalmente.

Exortamos igualmente as autoridades da Federação Russa a inverterem a sua crescente repressão da dissidência e a respeitarem a liberdade de expressão e o direito de protesto dos seus cidadãos.


ASSINE PARA EXIGIR A LIBERTAÇÃO DE BORIS KAGARLITSKY
A petição também está disponível em Change.org
SIGNATÁRIOS
  • Naomi Klein
    Canadian author, social activist, and filmmaker known for her political analyses, support of ecofeminism, organized labour, leftism and criticism of corporate globalization, fascism, ecofascism and capitalism.
  • Jeremy Corbyn
    British politician, Leader of the Labour Party from 2015 to 2020, member of Parliament
  • Jean-Luc Mélenchon
    Co-director of La Boétie Institute, French Presidential candidate of The Popular Union in 2022
  • Slavoj Žižek
    Slovenian philosopher, cultural theorist and public intellectual
  • Tariq Ali
    Pakistani-British political activist, writer, journalist, historian, and public intellectual
  • Yanis Varoufakis
    Writer and political leader (Greece)
  • Judy Rebick
    Feminist writer and activist (Canada)
  • Myriam Bregman
    National Deputy (Argentina)
  • Nicolás del Caño
    National Deputy (Argentina)
  • Christian Castillo
    National Deputy (Argentina)
  • Fernanda Melchionna
    Federal Deputy (Brazil)
  • Sâmia Bomfim
    Federal Deputy (Brazil)
  • Walden Bello
    Focus on the Global South (The Philippines)
  • Luciana Genro
    State Deputy, Rio Grande do Sul (Brazil)
  • Kavita Krishnan
    Secretary of the All India Progressive Women's Association
  • Richard Boyd-Barrett
    TD (Ireland)
  • John McDonnell
    MP (UK)
  • Fredric Jameson
    Duke University (USA)
  • Étienne Balibar
    French philosopher, professor of political philosophy at the University of Paris X-Nanterre (as well as the University of California at Irvine), teacher of French and English and contemporary literature.
  • Lin Chun
    London School of Economics (UK/China)
  • Kohei Saito
    University of Tokyo (Japan)
  • Claudio Katz
    University of Buenos Aires (Argentina)
  • Luis Bonilla-Molina
    Otras Voces en Educación (Venezuela)
  • Reinaldo Iturriza López
    Sociologist (Venezuela)
  • Patrick Bond
    University of Johannesburg
  • Lindsey German
    Stop the War Coalition (UK)
  • Alex Callinicos
    British political theorist and activist
  • Andrej Hunko
    Member of the Budestag (Germany)
  • Jodi Dean
    Hobart-William Smith (USA)
  • Kerstin Kaiser
    Leiterin Büro der Rosa-Luxemburg-Stiftung Moskau 2016-2022, Partei DIE LINKE
  • Dr. Gregor Gysi
    Member of the Bundestag, the Left Party, Foreign Policy Spokesperson
  • Janine Wissler
    Co-Chairwoman of the Left Party, Member of the Bundestag
  • Martin Schirdewan
    Co-Chair of the Left Party, Member of the European Parliament, Co-Chairman of the parliamentary group The Left - GUE/NGL
  • Larissa Waters
    Australian Greens Leader in the Senate (Australia)
  • Max Chandler-Mather
    Australian Greens MP for Griffith
  • Rehad Desai
    Zabalaza for Socialism, South Africa
mapa de solidariedade com Boris Kagarlitsky
APOIE-NOS
Os recursos arrecadados são usados para organizar a campanha pela libertação de Boris e cobrir as despesas dos advogados.
Made on
Tilda